Ana, verão de 1994.

Eu e a solidão

verseto:

dançamos colados pelos palcos da vida e apesar do meu vazio não caber no mundo, eu juro: o mundo cabe no nosso abraço.

©